Caso Emanuelle: casa onde morava suspeito de matar menina com 13 facadas pega fogo em Chavantes
20/01/2020 10:54 em Notícias Região

A casa do suspeito de ter matado a menina Emanuelle com 13 facadas em Chavantes pegou fogo neste domingo (19). Aguinaldo Guilherme Assunção foi preso após confessar o crime. Ele foi encontrado morto na cela na última quarta-feira (15).

Segundo o Corpo de Bombeiros de Ourinhos, a equipe foi chamada para apagar o incêndio. A casa estava vazia no momento das chamas e ninguém ficou ferido. A polícia vai investigar se o incêndio foi criminoso.

Ainda segundo a corporação, uma casa vizinha chegou a ter um princípio de incêndio, mas foi controlado por moradores e com a ajuda de um caminhão-pipa da prefeitura, antes mesmo da chegada dos bombeiros.

Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos, foi encontrada morta na segunda-feira (13), na zona rural de Chavantes, depois de ficar três dias desaparecida. O suspeito Aguinaldo confessou que matou a menina à polícia e indicou o local do corpo.

Ela brincava em uma praça de Chavantes no dia 10 de janeiro quando desapareceu. Emanuelle foi enterrada na terça-feira (14) no Cemitério Municipal de Chavantes, sob forte comoção.

Crime

Segundo a polícia, a criança foi atraída pelo suspeito para colher mangas em uma área de mata e foi morta com 13 facadas.

Aguinaldo relatou à polícia que matou Emanuelle por vingança contra a mãe dela que, segundo ele, não deixava que ela brincasse com o enteado dele.

Aguinaldo foi preso por homicídio qualificado e ocultação de cadáver e estava no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cerqueira César desde a audiência de custódia.

Na manhã de quarta-feira (15), ele foi encontrado morto na cela com um lençol enrolado no pescoço.

Moradores de Chavantes protestaram contra o enterro dele na cidade. Por causa da manifestação, o corpo de Aguinaldo foi enterrado em Ourinhos.

Segundo o delegado Antônio José Fernandes Vieira, Aguinaldo já havia sido condenado e cumpriu pena em 1988 por ter assassinado o irmão.

O delegado também afirmou que, mesmo depois da morte de Aguinaldo, a investigação sobre o caso vai prosseguir normalmente. "O inquérito que apura o homicídio de Emanuelle terá seguimento até que todas as circunstâncias do ocorrido sejam estabelecidas", afirma.

Câmeras de segurança

A polícia chegou ao suspeito depois de analisar as imagens das câmeras de segurança próximas à praça do bairro Cohab, onde Emanuelle brincava na tarde de sexta-feira, 10 de janeiro.

A polícia verificou que Aguinaldo aparecia duas vezes no vídeo. O que chamou a atenção da polícia é que entre uma aparição e outra, registradas no mesmo dia, ele está com roupas diferentes. Em um primeiro momento, o homem aparece de camiseta branca e a pé, e passa ao lado da garota, que caminha pelo bairro.

Depois, em outra câmera de segurança, o suspeito é visto perto da praça de camiseta vermelha e em uma bicicleta. Ele vai na direção da criança, que aparece no canto direito de vestido branco, e faz abordagem. Em seguida, ele sai com a bicicleta e a menina é vista atravessando a via

Aguinaldo já havia prestado depoimento à polícia e negado saber de qualquer informação sobre o desaparecimento da criança. Contudo, ele acabou confessando o crime à polícia, depois de confrontado com as imagens das câmeras de segurança.

Imagens em que a menina aparece brincando na praça e a caminho do parquinho em Chavantes também foram analisadas pela polícia. (G1)

COMENTÁRIOS